Dantec e o diabo
05/01/2010
Traduzi recentemente "Raízes do Mal", de Maurice Dantec (publicado pela Sulina). Aqui vão mais alguns dados sobre Dantec para que vocês tenham uma pequena ideia da sua importância mundial como escritor. "A Sereia Vermelha", seu primeiro livro, foi adaptado para o cinema de saída, vendeu 200 mil exemplares e foi classificado pelo rigoroso jornal Libération como "um dos maiores romances policiais de todos os tempos". Apenas isso. "Raízes do Mal", seu segundo livro, também publicado pela mais prestigiosa editora francesa, a Gallimard, foi traduzido em 16 países e já vendeu mais de 600 mil exemplares. O homem é simplesmente cult e arrasador.

Para escrever "Raízes do Mal", tal o esforço exigido para contar uma história de serial-killers, ele diz ter feito um pacto com o diabo. Escritor de engajamentos e ideias, grande leitor de Gilles Deleuze, Dantec foi escolhido pela Gallimard como autor símbolo nas comemorações dos 50 anos da "Noire", talvez a mais famosa coleção de romances policiais do mundo. Durante a guerra da Bósnia, Dantec foi ao teatro das operações para testemunhar os horrores do genocídio comunista. Defendeu os católicos croatas e os muçulmanos. Os escritores brasileiros não vão sequer ver o que está ocorrendo nas favelas. Estão ocupados demais limpando o umbigo. Quando brigou com a Gallimard, que recusou um dos seus livros mais polêmicos, Dantec foi convidado pela Flammarion, que tentou censurar parte do texto. Dantec ficou uma fera e recusou na bucha. Saiu batendo a porta para uma melhor.

A revista Paris-Match (a Caras da França) comentou: "Dantec é uma granada pronta para explodir disputada por todas as editoras". Antoine Gallimard, lamentando a perda, referiu-se a Dantec como "um dos maiores escritores atuais". A revista Lire concordou: "Maurice Dantec é um dos mais importantes escritores de língua francesa depois de 1945. A sua obra é fulgurante, visionária e polêmica, o que faz dele o mais admirado e o mais odiado dos escritores pela mídia". Patrick Raynal, ex-diretor literário da Gallimard, foi mais longe: "As pessoas ainda não compreenderam que Dantec é o maior escritor do século, de todo o século". Acharam pouco? Querem mais? Roqueiro, admirador da cultura norte-americana, vivendo exilado no Canadá, Maurice Dantec não dá mole para ninguém. Do porte dele, só Houellebecq.

Desde 2008 seus livros são estudados nas mais importantes universidades dos Estados Unidos. "Babylon Babies", seu terceiro romance, foi adaptado para o cinema de Hollywood pela "20th Century Fox" ao custo de 60 milhões de euros, com direção de Mathieu Kassovitz, e pode ser visto no Brasil. Os seus livros saem nos Estados Unidos pela Random House (a Gallimard americana), cujo editor vê nele "o maior escritor europeu atual e o herdeiro de Philip K. Dick". Até agora, ele já vendeu mais de 2 milhões de exemplares. Dou esses dados de barato para que não haja engano. Por aqui, a coisa anda feia. Pior do que o cinema brasileiro atual, só a literatura brasileira. Falta transfiguração e ironia.
Link: http://www.correiodopovo.com.br/Impresso/?Ano=115&Numero=97&Caderno=0&Noticia=80613

Voltar | Versão em PDF | Indicar

 

Os dados pessoais fornecidos pelos usuários do site www.editorasulina.com.br são assegurados pela seguinte Política de Privacidade